Início » Considerada a melhor rodovia de Minas Gerais, trecho da BR-050 no Triângulo Mineiro possui a maior concentração de pontos de acidentes por quilômetro em todo o estado

Considerada a melhor rodovia de Minas Gerais, trecho da BR-050 no Triângulo Mineiro possui a maior concentração de pontos de acidentes por quilômetro em todo o estado

de Antônio Paulino
6600 visitas

Minas Gerais possui a maior malha rodoviária do Brasil, com 7.689 quilômetros de rodovias federais, 23.663 KM de rodovias estaduais e 238.191 KM de rodovias municipais. Tantas estradas também trazem um número triste: é o estado com maior número de acidentes e mortes em rodovias do país.

Segundo a CNT – Confederação Nacional do Transporte – foram 712 óbitos entre novembro de 2022 e outubro de 2023. Isso representa 12% das 5.520 mortes em acidentes de rodovia no Brasil durante o mesmo período. Mas, afinal, qual trecho de rodovia no estado possui o maior índice de acidentes?

A BR-050 começa em Cristalina, Goiás, cortando 9 municípios goianos e mineiros, até a cidade de Delta, na divisa entre Minas Gerais e São Paulo. No Triângulo Mineiro, a rodovia possui 220 km de extensão, totalmente duplicada, que podem ser percorridos em pouco mais de 2 horas. Contudo, a atenção deve ser redobrada ao passar por esse caminho.

Em 220 quilômetros considerados da BR 050 no Triângulo Mineiro, foram 31 pontos com mais de cinco acidentes em um mesmo quilômetro, em um total de 264 desastres, 9 pessoas mortas e 291 feridos durante o período analisado. A cada 6,7 km rodados, o motorista encontra um ponto com histórico de acúmulo de desastres.

Conforme noticiado pelo Regionalzão, um grave acidente ocorrido no último sábado, 27, envolveu 5 veículos no trecho urbano da BR-050, na altura do cruzamento com o viaduto da avenida João Naves de Ávila, e deixou uma pessoa morta e três feridas.

Ironicamente, a pista duplicada e bem pavimentada “incentiva”a imprudência de alguns motoristas. Em todo o estado, os trechos com maiores números de acidentes e mortes ficam em pontos duplicados e até de múltiplas pistas. O professor Raphael Lúcios Reis dos Santos, do Departamento de Engenharia de Transportes do Cefet-MG, falou sobre o assunto com o jornal Estado de Minas.

Com informações dos jornais Estado de Minas e O Tempo

0 comentario
0

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário