INFRAESTRUTURA-NOVO
Início » Dois servidores do Detran-GO foram presos suspeitos de participar de uma quadrilha responsável por falsificar ao menos 34 processos

Dois servidores do Detran-GO foram presos suspeitos de participar de uma quadrilha responsável por falsificar ao menos 34 processos

de Antônio Paulino
1427 visitas

Outras 10 pessoas, incluindo despachantes de cartórios, são investigadas por usar o sistema do órgão para obter vantagens financeiras há cerca de dois anos.

As prisões, conforme o presidente do Detran, Waldir Soares (delegado Waldir), ocorreram neste domingo, 31. Os suspeitos são uma servidora da Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) de Paranaiguara e um vistoriador de Cachoeira Alta. A dupla, porém, acabou sendo liberada. Uma terceira pessoa é considerada foragida. 

Funcionários de Goiânia e São Simão também podem fazer parte da organização criminosa, assim como membros do vapt-vupt de Quirinópolis. O órgão investiga ainda 20 Ciretrans que estariam praticando a mesma conduta criminosa. 

Estivemos em três destes municípios e fizemos a apreensão de mais de 3 mil documentos. Essa servidora de Paranaiguara estava a menos de 30 dias no serviço e já estava na prática criminosa. Ela foi indicada pelo prefeito depois que um outro servidor foi afastado suspeito de participar do mesmo esquema”, explicou Waldir.

O servidor apontado pelo presidente do Detran foi afastado das funções há cerca de um mês, durante a primeira fase da operação na cidade. Ao todo, em um ano, três pessoas indicadas pelo prefeito de Paranaiguara, José Carlos Barbosa (PSC), deixaram o órgão suspeitos de fraudes. O Jornal Opção procurou a prefeitura para que se posicionasse, mas não obteve retorno.

Entre os crimes praticados, conforme Waldir, estão a transferência ilegal de veículos, além do registro de veículos furtados em outros estados que foram regularizados em Goiás. Em alguns casos, os servidores chegaram a efetuar transferências veiculares sem a vistoria, com Certificado de Registro de Veículo (CRV) adulterado e até sem o documento. A quadrilha cobrava entre R$ 500 e R$ 5 mil para realizar o “serviço”. O prejuízo aos cofres públicos é incalculável. 

0 comentario
0

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário